10 de agosto de 2014

Resenha: Dezesseis Luas - Margaret Stohl / Kami Garcia

Título: Dezesseis Luas (Beautiful Creatures)
Série: Beautiful Creatures #1
Autor: Margaret Stohl / Kami Garcia
Editora: Galera Record
Ano: 210
Páginas: 488
Ethan é um garoto normal de uma pequena cidade do sul dos Estados Unidos e totalmente atormentado por sonhos, ou melhor, pesadelos com uma garota que ele nunca conheceu. Até que ela aparece... Lena Duchannes é uma adolescente que luta para esconder seus poderes e uma maldição que assombra sua família há gerações. Mais que um romance entre eles, há um segredo decisivo que pode vir à tona. Eleito pelo Amazon um dos melhores livros de ficção de 2009. Direitos de tradução vendidos para 24 países. Um filme da série está sendo produzido. "Pacote completo: um cenário assustador, uma maldição fatal, reencarnação, feitiços, bruxaria, vudu e personagens que simplesmente prenderão o leitor até o fim...
Ethan e Lena se conheciam antes mesmo de terem se visto, eles se encontravam todas as noites num sonho terrível em que ele não conseguia salvá-la. Mas quando Ethan Lena pela primeira vez, ele não acredita no que está vendo e se pergunta se é realmente possível ela ser a garota de seus sonhos ou ele está ficando louco.

Caindo.
Eu estava em queda livre, despencando no ar.
— Ethan!
Ela me chamou, e o som de sua voz fez meu coração disparar
— Me ajude.
Ela estava caindo também. Estiquei meu braço, tentando segurá-la. Estiquei o braço mas só encontrei ar. Não havia chão sob meus pés e minhas mãos se enfiavam em lama. Encostamos as pontas dos dedos e vi fagulhas verdes na escuridão.
Então ela escorregou por meus dedos e só consegui sentir a perda.
Limão e alecrim. Eu consegui sentir o cheiro dela, até naquele momento.
Mas não consegui segurá-la.
E não conseguia viver sem ela
Ethan nasceu e cresceu na cidade de Gatlin, mas não consegue se identificar em nenhum aspecto com estilo de vida que a população da cidade leva, a maior vontade de Ethan é poder ir embora da cidade o quanto possível, principalmente depois que sua mãe faleceu e seu pai passou a varar a noite escrevendo e o dia dormindo e por isso quase nunca o via.
Não havia surpresas no Condado de Gatlin. Éramos nada mais nada menos do que o epicentro no meio do nada.
Lena é uma conjuradora e veio para Gatlin para ficar sobre a proteção de seu tio até sua décima sexta lua onde ela seria reclamada para o bem ou para o mal, e quando ela conhece Ethan ela tenta de toda forma evitá-lo, mas, todo seu esforço é em vão porque ela acaba não resistindo a ele. 
Você é a garota.
— Por que não me disse nada ontem a noite?
Eu não queria que você soubesse.
Ela não olhou para mim.
— Porque? A palavra soou alta no silencio do jardim. E quando ela olhou para mim, seu rosto estava pálido e ela parecia diferente. Assustada. Os olhos dela eram como o mar antes de uma tempestade na costa da Carolina.
— Eu não esperava que você estivesse aqui, Ethan. Pensei que eram apenas sonhos. Eu não sabia que você era uma pessoa de verdade.
— Mas depois que soube que era eu, por que não falou alguma coisa?
— Minha vida é complicada. E eu não queria você... Não quero ninguém envolvido nisso.
As mulheres da família de Lena, as Duchannes são amaldiçoadas, em sua décima sexta lua elas são invocadas para o bem ou para o mal sem direito a escolha. Além de temer a maldição que a tomaria para o bem ou para o mal na pior das hipóteses, Lena ainda tinha de enfrentar a perseguição que ela sofria na escola por ser sobrinha de Macon Revenwood. Em seu primeiro encontrou com Ethan em Greenbrier eles encontram um camafeu que pode revelar os mistérios da maldição e ajudar Lena em sua invocação.

Eu sinceramente adorei o casal Ethan e Lena principalmente o modo intimo como eles se comunicam o Kelt. Link o melhor amigo de Ethan é uma figura muito carismático faz todo o possível para ajudar Ethan. Amma que é quase como uma mãe para Ethan tem seus mistérios e suas regras que nos fazem amá-la. Mas a personagem que mais gostei foi Ridley a prima das trevas de Lena, ela é debochada e está pouco se lixando para o que os outros pensam, mas ainda assim não consigo deixar de gostar dela.

Comprei a série Dezesseis Luas influenciado pelo filme e posso dizer que o livro é infinitamente melhor, não por ser o original, mas por que o final é imensuravelmente melhor, fora que ele me pega desprevenido em alguns momentos e tem muitos pontos fortes, mas, nem tudo são flores, a leitura do livro em um pouco maçante e cansativo, fora que alguns acontecimentos não me agradam muito.

Adorei a referência a Carrie a Estranha foi super bem colocada fora que é quase impossível não fazer uma mínima conexão entra as duas personagens. Dezesseis Luas não foi a leitura mais surpreendente do ano, mas, está bem longe de ser a pior.

Classificação:

4 comentários:

  1. Essa é uma série, que junto com Fallen que eu sei que é boa, mas não tenho paciência para ler, até o que você disse no fim "é maçante e cansativo", eu não consigo terminar um livro desse tipo, daí eu sempre fico no aguardo do filme, que pelo menos conheço toda a história.

    http://deiumjeito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim esse é maçante, até para fazer a resenha foi '-' e posso falar o mesmo das sequencias. Mas falando em Fallen já li a saga todo e amei chorei rios no final do ultimo livro, tenho que reler tudo para fazer resenha pro blog Gio!!

      Obrigado por comentar!! ;)

      Excluir
  2. Tenho que me lembrar de assistir o filme, mas só de me lembrar que mudaram o final (e que muitos dizem, para pior) perco a vontade. Adoro adaptações, ver tudo sair do papel, mas não quando interferem tanto assim na história. =/
    A leitura eu achei realmente cansativa e embora não tenha sido chata, não estou com pressa para ler a sequência. =/
    Blog | Paixonites Literárias Xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh vê o filme Paixonites é bom!! E você vai ver que mudaram o final, mas que ainda assim da para fazer conexão com o próximo livro!

      Xo

      Excluir