10 de outubro de 2014

Resenha: Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo - Benjamin Alire Sáenz

Título: Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo (Aristotle and Dante Discover the Secrets of the Universe)
Autor: Benjamin Alire Sáenz
Editora: Seguinte
Ano: 2014
Páginas: 392
Dante sabe nadar. Ari não. Dante é articulado e confiante. Ari tem dificuldade com as palavras e duvida de si mesmo. Dante é apaixonado por poesia e arte. Ari se perde em pensamentos sobre seu irmão mais velho, que está na prisão. Um garoto como Dante, com um jeito tão único de ver o mundo, deveria ser a última pessoa capaz de romper as barreiras que Ari construiu em volta de si. Mas quando os dois se conhecem, logo surge uma forte ligação. Eles compartilham livros, pensamentos, sonhos, risadas - e começam a redefinir seus próprios mundos. Assim, descobrem que o amor e a amizade talvez sejam a chave para desvendar os segredos do Universo.
 

As pessoas vivem tentando se descobrir, se entender, mas às vezes é preciso uma nova visão, uma forma diferente de ver, para então começar a desvendar os seus mistérios. E é isso que encontramos nesse livro, as mudanças e os encantos que um novo olhar pode provocar em nossa vida e todo o amadurecimento que isso acompanha.
"Eu era praticamente invisível. Acho que gostava de ser assim.
Até que surgiu Dante."
O livro é narrado por Ari, ele é um garoto fechado, tem dificuldades em demonstrar seus sentimentos e de se relacionar com as pessoas. Aristóteles culpa seus pais por viver sempre numa batalha interna. Seu pai é um ex-veterano da segunda guerra mundial, ele não é de dividir o que sente e nem o que passou na guerra, a mãe de Ari é forte, mas ela evita qualquer indicio da existência de Bernardo o irmão de Ari que está preso. 

Dante é mais que confiante e amplo, ele expressa seus sentimentos sem vergonha alguma, adora artes e poesias, é engraçado e se da bem com todo mundo. Os pais de Dante são diferentes dos de Ari adeptos da verdade eles não costumam guardar segredos e acima de tudo amam Dante loucamente.

Mas é quando o mundo deles colide e interagem que tudo fica mais interessante, Dante se oferece para ensinar Ari a nadar e a partir daquele surge uma grande amizade. Dante mostra a Aristóteles como é o seu mundo e Ari faz o mesmo com Dante e então eles se tornam inseparáveis, ainda que às vezes eles não concordem um com o outro, mas no final tudo acabava em risadas.
Antes de Dante, estar com alguém era a coisa mais difícil do mundo para mim. Mas, com ele, conversar e viver e sentir pareciam coisas perfeitamente naturais. No meu mundo não eram.
As mães de Dante e Ari são simplesmente Maravilhosas, ri demais com as conversas delas com seus respectivos filhos e das regras que elas impõem sobre eles, mas o que realmente me encanta é o amor incondicional que elas sentem por eles.
— Você dirige meio rápido. — ela comentou
— Tenho dezesseis anos — repliquei.
 — Estou garoto.
Ela ficou quieta uns instantes, para logo dizer:
— Se um dia eu desconfiar que você tomou um gole de álcool e dirigiu, me desfaço desse carro.
Como não procurei saber muito sobre o livro para não criar muita expectativa, me surpreendi com o ano que em que o livro se passa 1987, não sabia que o livro era ambientado no passado o que já me agradou muito, e nem que os protagonistas eram americanos descendentes de mexicanos, isso foi uma surpresa mais que agradável, principalmente com pelas tiradas de Dante de Ari sobre ser mexicano.
— Não somos mexicanos de verdade. Por acaso vivemos no México?
— Nossos avós vieram de lá.
— Tá, mas a gente sabe alguma coisa sobre o México?
— Falamos espanhol.
— Não muito bem.
— Fale por você, Dante. Seu pocho.
— O que é pocho?
— Um mexicano de meia-tijela.
Eu simplesmente me apaixonei pelo que li Sáenz escreve o livro de uma forma tão graciosa e envolvente e a forma como ele desenvolve a relação de Dante e Ari sem pressa torna tudo tão agradável e bonito. Gostei também da intensidade que ele dá os personagens secundários, principalmente aos pais de Dante de Ari, que mesmo sendo distintos e com suas dificuldades morrem de amor por seus filhos.
— Fui nadar Hoje — ele disse.
— Como foi?
— Amo nadar
— Eu sei
— Amo nadar — Dante repetiu. Depois ficou em silencio por uns instantes. E então continuou: Amo nadar... e você.
Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo rendeu vários prêmios a Benjamin Alire Sáenz dentre eles um Stonewall Book Award e um Lambda Literary Awards, os dois atribuídos a obras publicadas sobre temática LGBT e outros atribuídos por literatura latina e por YA.

Gente o que dizer dessa capa linda? Se antes de ler ela já encanta, imagina depois de ler o livro? Ela faz tanto sentido e se faz perfeita, assim como o título no inicio você pensa se tratar de uma coisa o no final descobre ser outra. A revisão e diagramação do livro são ótimas, na verdade ainda não li um livro da Seguinte para reclamar disso.

Não tenho como negar que esse livro foi uma das leituras mais agradáveis do ano, eu esperava gostar do livro, mas não tanto. Eu me apaixonei pelo livro de uma forma bem intensa, criei uma conexão tão real com o livro que não consegui evitar de me ver em um dos personagens, de ver minha mãe no lugar das mães de Ari e Dante em alguns momentos. Essa sensação que o livro me causou é maravilhosa e poucos livros conseguiram causa-la.

Classificando:



 Bye Guys Xo

Nenhum comentário:

Postar um comentário