29 de outubro de 2014

Resenha: A Lista de Brett - Lori Nelson Spielman

Título: A Lista de Brett (The Life List)
Autor: Lori Nelson Spielman
Editora: Verus
Ano: 2014
Páginas: 364
Brett Bohlinger parece ter tudo na vida — um ótimo emprego como executiva de publicidade, um namorado lindo e um loft moderno e espaçoso. Até que sua adorada mãe morre e deixa no testamento uma ordem: para receber sua parte na gorda herança, Brett precisa completar a lista de sonhos que escreveu quando era uma ingênua adolescente. Deprimida e de luto, Brett não consegue entender a decisão de sua mãe — seus desejos adolescentes não têm nada a ver com suas ambições de agora, aos trinta e quatro anos. Alguns itens da lista exigiriam que ela reinventasse sua vida inteira. Outros parecem mesmo impossíveis. Com relutância, Brett embarca numa jornada emocionante em busca de seus sonhos de adolescência. E vai descobrir que, às vezes, os melhores presentes da vida se encontram nos lugares mais inesperados.
Assim que a Verus anunciou a capa de A Lista de Brett surgiu um grande interesse pelo livro, e assim que li a sinopse decidi que iria ler o livro sem nenhuma, mas foi ao ler as resenhas de outros blogs e o quanto o pessoal estava elogiando o livro que resolvi adiantar a leitura e nossa foi maravilhoso.

Brett sempre viveu sobre as assas da mãe, mas ainda assim tinha uma vida estabilizada, porém, estagnada. Quando sua mãe falece ela vê seu mundo ruir, Brett pensou que sua mãe iria deixar a empresa para ela, mas em vez disse ela deixou uma lista de desejos de quando Brett tinha apenas 14 anos para ser realizada, para que então ela possa receber sua herança.
— Muito bem, o negocio é o seguinte. A Elizabeth pegou essa lista de lixo faz alguns anos. Com o passar do tempo, toda vez que você realizava uma de suas metas, ela riscava. — Ele aponta para APRENDER FRANCÊS. Viu?
Minha mãe tinha riscado a meta e ao lado dela escrevera Très bien!
— Mas dez metas da lista não foram realizadas.
— Não brinca. Essas metas não tem nada haver com o que tenho agora.
Ele balança a cabeça.
— Sua mãe achava que essas metas eram validas até hoje.
Eu franzo a testa, magoada ao pensar que ela não me conhecia tão bem.
— Bom ela estava errada.
— E ela quer que você complete as metas da lista.
Brett não acreditou quanto ao que sua mãe impôs para que ela recebesse sua herança tentou de todas as formas que pode para não precisar realizar a sua lista de desejos, mas ela acaba cedendo e é a partir desse momento que as coisas começa a mudar em sua vida.
— Fique com isso — ele me diz —, para o caso de mudar de ideia. — E coloca a lista em minhas mãos. — O tempo está passando. Inclino a cabeça.
— Como assim?
Ele baixa o olhar para seus sapatos, incomodado.
— Você deve realizar pelo menos uma das metas até o fim do mês. Em um ano a partir de hoje, ou seja, no dia 13 de setembro do ano que vem, a lista inteira tem de estar completa.
Eu simpatizei com Brett assim que comecei a ler o livro, ela é uma personagem bem carismática, mas, não há como negar que a evolução da personagem foi enorme e ela termina o livro sendo uma pessoa muito melhor do que ela era no começo. Começar a realizar a lista de desejos não foi fácil para Brett ela tentou até enrolar, mas com o passar do tempo e com cada tarefa cumprida ela recebia uma nova carta de sua mãe. E ao efetuar algumas das tarefas da lista, Brett descobre detalhes sobre a sua vida que ela não tinha conhecimento e entende o por que de alguns maus momentos em sua vida.

Os personagens desse livro são sinceramente carismáticos, o livro não se centra somente no "drama" de Brett e nem todos os personagens tem um final feliz. Dentre os personagens que mais gostei estão Brad o advogado que cuidou do inventário da mãe de Brett e que posteriormente se tornou seu amigo, Elizabeth a mãe de Brett que mesmo em outro lugar faz a trama acontecer, Herbert o psiquiatra de um dos alunos de Brett que serviu como apoio para Brett em alguns momentos difíceis e Sanquita umas das alunas que Brett lutou para conquistar.
— Não chore, B.B. Acabou.
Brad faz movimentos circulares em minhas constas torturadas pelo estresse.
— Fui péssima! — digo, socando o capô com o punho cerrado. Dou um giro e fico de frente para ele. — Eu disse que não era engraçada.
Ele me puxa para seus braços. Não resisto.
Eu me peguei torcendo loucamente para que Brett realizasse mais uma tarefa para que claro ela estivesse mais perto de alcançar sua herança, mas também por que ela receberia uma nova carta de sua mãe e não posso negar que me peguei chorando durante a leitura de algumas cartas deixadas pela mãe da nossa mocinha, mas também ri dos momentos divertidos que ela passou, assim como tive raiva de alguns personagens picaretas que só pensam em si mesmos.

Sabe quando dizem que mães sempre sabem o que é melhor para o filho? Esse livro é exatamente uma prova desse ditado. O desejo de Elizabeth era fazer Brett, se desafiar, largar a vida estagnada e voltar a ser uma garota corajosa que corre atrás de seus sonhos, se realizar.
Eleanor Roosevelt certa vez disse: "Todos os dias, faça algo de que você tenha medo". Continue se abrigando a fazer coisas que lhe dão medo querida. Assuma os riscos e veja onde você aterrissa, pois são eles que fazem a jornada valer a pena.
Uma coisa que infelizmente não deixei de notar foi a semelhança com o livro PS, Eu Te Amo por mais que as intenções dos personagens e das cartas sejam completamente diferente, a base é a mesma, faça o que seu ente querido quer e sua vida mudará.

Eu não esperava que o livro me tocasse tanto o quanto ele me tocou e achei isso maravilhoso, principalmente por ver minha relação com minha mãe em certos pontos do livro. A capa como já disse foi amor a primeira vista e adoro quando amo a capa do livro e seu conteúdo. A Lista de Brett é um livro maravilhoso que vai te fazer parar para pensar e ver se o que você está fazendo com sua vida é a coisa certa e que o amor de mãe está acima de tudo.

Classificando:

3 comentários: