22 de janeiro de 2015

Resenha: As Estranhas e Belas Mágoas de Ava Lavender - Leslye Walton

Título: As Estranhas e Belas Mágoas de Ava Lavender (The Strange and Beautiful Sorrows of Ava Lavender)
Autor: Leslye Walton
Editora: Novo Conceito
Ano: 2014
Páginas: 304
Gerações da família Roux aprenderam essa lição da maneira mais difícil. Os amores tolos parecem, de fato, ser transmitidos por herança aos membros da família, o que determina um destino ameaçador para os descendentes mais jovens: os gêmeos Ava e Henry Lavender. Henry passou boa parte de sua mocidade sem falar, enquanto Ava que em todos os outros aspectos parece ser uma jovem normal nasceu com asas de pássaro. Tentando compreender sua constituição tão peculiar e, ao mesmo tempo, desejando ardentemente se adaptar aos seus pares, a jovem Ava, aos 16 anos, decide revolver o passado de sua família e se aventura em um mundo muito maior, despreparada para o que ela iria descobrir e ingênua diante dos motivos distorcidos das demais pessoas. Pessoas como Nathaniel Sorrows, que confunde Ava com um anjo e cuja obsessão por ela cresce mais e mais até a noite da celebração do solstício de verão. Nessa noite, os céus se abrem, a chuva e as penas enchem o ar, enquanto a jornada de Ava e a saga de sua família caminham para um desenlace sombrio e emocionante.
Eu tenho uma tendência a me apaixonar por capas de livros e simplesmente comprá-lo porque gostei da capa, e foi exatamente o que aconteceu com esse livro, mas claro li a sinopse e fiquei realmente interessado, adoro ainda livros que falam sobre o amor, esse sentimento louco que nos faz agir como completos idiotas.

Ava Lavender é uma garota como qualquer outra, a não ser é claro pelo belo par de asas com qual ela nasceu, o dia de seu nascimento e de seu irmão gêmeo Henry foi um dia estranho, sim ela tem um irmão gêmeo, mas ele não podia ser mais diferente que ela, além de nascer sem asas ele não gosta muito de falar e não é bem sociável.
Para muitos, eu era um mito encarnado, a personificação de uma lenda magnifica, um conto de fadas. Alguns me consideravam um monstro, uma aberração. Para meu infortúnio, certa vez fui confundida com um anjo. Para minha mãe, eu era tudo, para o meu pai, absolutamente nada. Para minha avó, eu era um lembrete diário de amores havia muito tempo perdidos. Mas eu sabia a verdade — no fundo, sempre soube. Eu era apenas uma menina.
Mas se engana quem pensou que o livro trata somente da Ava e/ou seu irmão, Ava não narra apenas a sua história, mas também a triste história de amor de sua excêntrica família vinda da França, até que possa chegar ao momento de seu nascimento e enfim poder contar sua suas histórias.

A família Roux cabe completamente na definição da palavra estranhos, mas ainda assim, interessantes, enquanto Ava conta a história dos pais e irmãos de sua avó Emilienne, podemos perceber isso, mas algo que podemos notar é que o amor não sorriu para eles. Emilienne foi a única da família Roux que sobrou para contar história o restante de sua família teve um fim não muito alegre. Na tentativa de esquecer o passado triste de sua família Emilienne casou-se e se mudou para ter uma nova vida e foi daí que veio Viviane.

Viviane é a mãe de Ava e Henry, ela se apaixonou quando ainda era uma criança, e continuou a amar essa mesma pessoa por anos mesmo tendo perdido ela, mas Viviane encontrou outra forma de amor, ela amou seus filhos Ava e Henry, eles deram motivos para ela viver depois de ter perdido aquele amor, mas ela também tinha medo por seus filhos, uma garota eu tinha asas e garoto que não era sociável e só falava quando queria e quando acontecia nunca era em sua língua materna e por isso ela criou seus filhos afastados da sociedade com medo deles serem maltratados.
Minha mãe não queria se apaixonar por seus estranhos filhos. Ela estava certa de que não tinha espaço suficiente em seu coração para ninguém mais além de Jack.
Mas ela estava enganada. Para nossa sorte, Viviane descobriu que ser mãe tornava-se cada vez mais agradável com o passar do tempo. Estava impressionada com a facilidade: aprender que picolés poderiam ser feitos com suco de laranja, palitos de dente e uma bandeja de gelo; ouvir os barulhos de um quarto de criança mesmo em meio a um sono profundo; quando um cotovelo arranhado precisasse de um beijo e de uma faixa. Mais do que isso, ela aprendeu a se preocupar. Elas que sempre tinha pensado que a única companhia do amor era a tristeza, aprendeu que a preocupação andava de mãos dadas com o amor.
Ava sempre foi uma menina alegre e espontânea o que divergia com seu irmão que odiava ser tocado e mal falava, mas ela tinha bons amigos Cardigan e Rowe filhos dos vizinhos e amigos da família. Ao completar quinze anos Ava começa a se perguntar se a mãe não a está protegendo demais e começa a se aventurar pela noite com seus amigos para visitar ao reservatório da cidade, mas o que ela não sabia era que todas as noites quando ela sai pela cidade em busca de diversão Nathaniel a estava observando e ficando a cada dia mais obcecado por ela.
— Hum. Bem, você definitivamente não sabe voar. Acho que você realmente é só uma menina.
Assustei-me quando vi a poça de sangue em meu joelho arranhado.
— Como você sabe que não sou um anjo? — perguntei. — Ah isso é fácil — Cardigan tocou de leve uma das minhas penas pardas. — Anjos têm asas brancas.
Um personagem que não posso deixar de citar é Gabe, ele ajudou Viviane a cuidar de Ava e Henry como se ele fosse o pai desde o nascimento dos mesmos, ainda que Viviane não correspondesse aos sentimentos que ele nutria por ela.
— E o que eu penso? Eu deveria poder opinar, Vivi.
— E o que te dá direito de opinar sobre a vida de meus filhos? — ela brigou. — Você está falando sério? — Os passos estrondosos de Gabe ribombaram pela casa enquanto ele se enfurecia na cozinha. — Estou aqui desde o começo. Fui eu quem os alimentou, quem os trocou. Eu cuido deles quando estão doentes. Eu os seguro quando estão tristes. Já fiz muito mais do que o próprio pai deles fez ou jamais fará.
Conhecer a família Roux foi muito interessante, mas para ser sincero me senti meio que enganado, a sinopse do livro retrata a história de uma forma que não acontece no livro e para ser sincero eu achei estranho o acréscimo de história para outros personagens avulsos que no final não acrescentou em nada a narrativa, fiquei esperando por um grande momento no livro, que não aconteceu. Mas como tudo tem seu lado bom, os pontos fortes do livro para mim foram o lado mítico e mágico da família Roux e a mensagem de sempre dar uma nova chance ao amor, por mais que você já tenha sofrido por ele. 

As Estranhas e Belas Mágoas de Ava Lavender foi uma leitura em cima do muro, não me surpreendeu ou me emocionou, mas também está bem longe de ter sido uma leitura ruim. A capa do livro como já disse é linda, a diagramação da Novo Conceito como sempre maravilhosa e a revisão também está muito boa. O livro não foi perfeito para mim, mas com certeza vale a leitura e talvez te agrade mais do que a mim.

Classificando:

2 comentários:

  1. Oi! Tudo bem?
    Eu só passei aqui para lhe informar que te indiquei para uma tag.

    Confira lá: umbaixinhonoslivros.blogspot.com.br/2015/01/tag-13-eu-blogueiro.html
    Espero que goste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oks estou avisado, depois dou uma passadinha lá!

      Xo

      Excluir