9 de abril de 2015

Resenha: Insurgente - Veronica Roth

Título: Insurgente (Insurgent)
Série: Divergent #2
Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco
Ano: 2013
Páginas: 512
Na Chicago futurista criada por Veronica Roth em Divergente, as facções estão desmoronando. E Beatrice Prior tem que arcar com as consequências de suas escolhas. Em Insurgente, a jovem Tris tenta salvar aqueles que ama - e a própria vida – enquanto lida com questões como mágoa e perdão, identidade e lealdade, política e amor.




Depois de ler Divergente e com a proximidade do lançamento do filme, ler Insurgente foi basicamente obrigatório, sim obrigatório, no sentido de eu tenho que ler esse livro e descobrir tudo o que vai acontecer, a curiosidade falou mais alto.

Depois de todos os acontecimentos finais de Divergente Tris e seus companheiros conseguem abrigo na Facção da Amizade, mas ela e todos sabem que eles não estarão em paz ali por muito tempo, afinal de contas eles estão sendo caçados, graças aos acontecimentos do ultimo livro.

O dia que eles tanto esperava que não chegassem chega, vão atrás deles na Amizade e tudo o que eles podem fazer é fugir e dessa vez eles conseguem abrigo entre os sem-facção e é a partir desse momento que alguns segredos começaram a ser revelados e nem todos serão positivos para Tris. Mas isso é só o começo, as facções estão em colapso principalmente pelas atitudes tomadas pela Erudição.

Em meio a seus problemas pessoais e emocionais, Tris tenta dar um jeito de proteger todos os que ela ama em meio a um revolução eminente a acontecer e tentar descobrir um segredo guardado a sete chaves por Jeanine que antes era guardado pela Abnegação que pode fazer tudo mudar.
— É uma pena que isso tenha ocorrido no momento em que ocorreu — diz Susan. — Nossos líderes estavam prestes a fazer algo maravilhoso.
— É mesmo? O Que?
— Não sei. — O rosto de Susan fica vermelho. — Mas eu sabia que algo estava acontecendo. Não queria ser curiosa, mas percebi certas coisas.
Tris é definitivamente um personagem forte e integra e adorei ver esse novo lado dela que foi mostrado no livro, mais sensível, delicada e turrona também, acredito que demonstrar fraqueza não é um defeito, principalmente quando você usa dessa fraqueza para seguir em frente, ainda que algumas coisas sejam difíceis de superar. Uma coisa que não mudou é que Tris ainda continua se cobrando muito e pensando sempre nós outros primeiro
Acho que choramos para libertar nosso lado animal, sem perder a humanidade. Porque, dentro de mim, há uma fera que rosna, ruge e luta por liberdade, por Tobias e, acima de tudo, pela vida. Por mais que eu tente, não consigo matar essa fera.
Por isso, apenas soluço, chorando e cobrindo o rosto com as mãos.
Também pudemos ver uma nova faceta do Quatro nesse livro e só posso dizer que concordo muito com ele em algumas posições dele, mas também fiquei pasmo com algumas atitudes dele e em como ele pode ser ligeiramente influenciável e eu sinceramente não esperava isso dele. Como disse na resenha de Divergente Quatro é um personagem a ser desmistificado e é exatamente isso que podemos ver (talvez em parte) nesse livro e adorei isso.
— A questão é maior do que essa. Não confio nela. Acho que ela está tentando usar você.
— Mas não é você quem deve decidir isso.
— Por que me trouxe, então? — digo, copiando seus braços cruzados. — Ah, lembrei. Para poder avaliar a situação. Bem, eu a avaliei e, só porque você não gosta do que eu decidi, não significa que... — Eu tinha esquecido como sua parcialidade é capaz de obscurecer seu juízo. Se tivesse lembrado, não teria trazido você.
Achei muito muito valido e proveitosos para a história a maior presença de alguns personagens como Uriah e Lynn, eles serviram de suporte par Tris evitando que ela desmoronasse em alguns momentos e claro promoveram bons momentos e risadas também.
— Lynn dá uma pancada forte com o travesseiro atrás da cabeça de Uriah.
— Ei Tris! — diz Cristina.
— A como você consegue fazer um travesseiro doer tanto, Lynn? — grita Uriah. — Com minha força incrível — explica ela.
Bom, assim como Divergente amei tudo o que li, a história criada por Veronica é fantástica e continuou a me encantar e envolver, e estou completamente louco para ler Convergente, mas também estou com medo do que vem por ai.

Insurgente foi uma leitura maravilhosa assim como eu já esperava, continuou completamente apaixonado por Tris ela é definitivamente uma das minhas personagens femininas preferidas, concorrente a protagonista do ano. A capa do livro continua não sendo das mais bonitas para mim, mas ao menos passaram a fazer algum sentido, a diagramação está ótima, não encontrei erros de revisão e a fonte é perfeita para leitura! 

Classificando:


Xo

9 comentários:

  1. Eu ainda não li Insurgente, mas sei que ele é um livro repleto de ação, fazendo com que o leitor perca o fôlego! O mais importante do livro é que a Tris está amadurecendo cada vez mais, consequentemente o leitor acaba acompanhando o seu amadurecimento. Espero que você tenha uma ótima leitura em Convergente, pois dizem que o final é decepcionante!

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda não li nem divergente, sou apaixonada pelo filme de divergente, e estou louca para ir ver o filme de insurgente, mas não consigo ter vontade de ler os livros, talvez porque já vi o filme, não sei.
    Mas a sua resenha ficou ótima, achei bem detalhada e dá para notar que a Tris já evoluiu bastante no segundo livro!
    Abraços
    www.estantedepapel.com

    ResponderExcluir
  3. Já li e amei, também achei muito bom o Uriah e a Lynn terem aparecido bastante, estou ansiosa pra ver o filme mas antes irei reler há muita coisa que me esqueci.
    E sobre Convergente só digo uma coisa : Prepare-se
    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Ainda não li nenhum livro dessa trilogia. Só vi Divergente, para ser sincera. Confesso que gostei e mal posso esperar para ver o segundo, por mais que algumas pessoas tenham me falado que não é nada fiel ao livro. E já vi também comentários de que o último livro não é tão bom quanto os outros. Pretendo ler, mesmo já sabendo o grande spoiler do final.
    beijos.

    ResponderExcluir
  5. Não li nenhum livro da série, mas assisti o primeiro filme e adorei. Me disseram que esse tem mais ação, e putss, tô imaginando as outras facções entrando em colapso, mwahahahah \o/
    Eu fico lendo essas resenhas, aumentando a minha vontade de ler... Tenho tanta série pra terminar /çocorro :333 uahhahaha
    Kissus

    ResponderExcluir
  6. Eu concordo totalmente com você no quesito Quatro. O que foi aquilo? Eu esperava qualquer coisa de qualquer um, menos dele. Na verdade quis matá-lo em alguns momentos. Agora se você ficou pasmo com as atitudes dele nesse livro, vai morrer de raiva no próximo... Eu quis tanto bater nele!!! Mas a Tris é tão linda, que vale toda a raiva e frustração que a gente passa. O Uriah é muitoooo perfeitooooo e a Lynn é minha paixão! A autora é tão inteligente, e tem uma história tão envolvente! Não sei o que aconteceu no último, é muito decepcionante!! Mas é um mundo, do qual realmente não é fácil sair... Bjokas.
    entreumlivroe-outro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Não tenho interesse em ler a trilogia, embora tenha visto o filme, que achei bom, mas não espetacular.
    Não é muito do meu interesse, abs

    ResponderExcluir
  8. Eu sou do time do contra, enquanto todos amaram Insurgente e odiaram Convergente eu sou o contrário, amei Convergente e considero Insurgente o mais ruinzinho da trilogia.
    A única coisa que não gosto da Tris é sua necessidade de ficar a beira da morte direto, mas pelo menos assim ela consegue o necessário.
    Quatro é o cara, apenas <3

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Já Li "Insurgente" e adorei pra mim foi o melhor livro de toda a serie ele tem muita ação e com uma boa trama e o final para mim foi surpreendente nunca poderia ter imaginado que acabaria desse jeito !!!

    ResponderExcluir